Eu, a pipoca doce e a vizinha chinesa

A vizinha toda noite liga o rádio[bb] bem alto e fica brigando para sintonizá-lo. O engraçado é que ela sempre ouve a mesma estação, chinesa[bb], com palavras indecifráveis e ditas rapidamente.

Hoje a programação é especial, com uma radionovela cheia de músicas melosas e vozes femininas fininhas, que parecem miar. E, tam-tam ta-tam!, clima de suspense, vozes masculinas entram em “cena” discutindo, talvez pela mão da frágil donzela.

Eu não entendo os diálogos, mas acompanho a trama pelos efeitos e trilha sonora. As notas musicais, assim como os sentimentos, são universais.

Entre combinações de dó, ré, mi, fá, sol, lá, si, eu e a vizinha, que deve ser uma das muitas senhorinhas de Chinatown, compartilhamos a noite e o romance oriental.

Eu com minha pipoca doce e redes sociais, ela em sua poltrona, tomando chá, viajando nas ondas do rádio e pela minha imaginação.

Talita Ribeiro e um pacote de pipoca doce caramelizada

Eu, a Pipoca e a vizinha (atrás da porta, no corredor à direita)

 

Capa do ebook Turismo de Empatia: Refugiados no Oriente Médio Clique aqui e conheça o livro Turismo de Empatia: Refugiados no Oriente Médio

Neste livro, a jornalista Talita Ribeiro conta histórias que viveu e ouviu durante as semanas que passou entre refugiados de guerra na Jordânia e no Curdistão Iraquiano. Em paralelo, a autora dá dicas turísticas dos locais que visitou e apresenta um passo a passo de como embarcar em uma viagem em que o foco são as pessoas, e não os lugares. “Refugiados no Oriente Médio” é o primeiro livro da coleção “Turismo de Empatia”, que nasce de questionamentos e curiosidades tão fortes que nos fazem sair da zona de conforto e entrar em um lugar desconhecido e sagrado: o coração do outro.

Um comentário sobre “Eu, a pipoca doce e a vizinha chinesa

  1. Pingback: Retrospectiva de uma sonhadora inofensiva | Viagem e Voo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *