Muito além do turismo esportivo

Talita com uma camiseta do 49ers, time de San Francisco

Go, San Francisco, go! :)

Defense! Defense“, um bar inteiro gritava e aplaudia na esperança de que os jogadores do 49ers, de San Francisco, utilizassem o seu ponto forte para virar um jogo que estava quase perdido. E o grito de guerra parece ter ajudado, em pouco mais de 10 minutos o time vermelho partiu pra cima do time branco e diminuiu drasticamente a diferença de 22 pontos.

Pouco antes dessa quase virada acontecer, o receber do Ravens (time adversário), Jacoby Jones, fez um touchdown histórico, correndo por todo o campo com a bola (108 jardas!). A jogada, que é um recorde, fez com que o Aces, bar onde assisti o jogo, se calasse para, logo em seguida, aplaudir a jogada durante o replay. Porque foi lindo, mesmo sendo contra o nosso time.

Sim, nosso, porque em meio aos gritos de “Let’s Go Niners!” e tantos “go, go, go!“, de acreditar até o último segundo em uma possível vitória, de abraçar desconhecidos a cada ponto e brindar com a “Bud”, eu também me tornei, definitivamente, uma torcedora do #49ers.

E tenho muito o que aprender com a torcida do meu novo time, como, por exemplo, a não ficar tão desconfortável com a derrota. No momento mais tenso da partida, um cara veio me perguntar o que significava o “poutapariu”, que eu gritei depois de uma jogada furada. Expliquei meio sem graça e ele só me respondeu “take it easy, it is a play“. Yes, it is a play, a beautiful and fun play.

Viver por quase 6 horas com os torcedores de football americano no bar, vendo o Super Bowl, me fez querer embarcar em um outro tipo de viagem: finais de campeonatos regionais ao redor do mundo. Aprendendo seus gritos de guerra e regras do jogo, descobrindo os grande ídolos e os vilões, vendo como reagem à vitória e à derrota, o que bebem, se comem algo, lendo o jogo através das feições e olhares, compartilhando um silêncio angustiante ou um único e estrondoso som de alegria.

Na lista já constam: Rugby na Irlanda, Róquei no Canadá, Beisebol ou Vôlei em Cuba, Tênis de Mesa na China (deve ser curioso) e o conhecido futebol, só que em outros países, como Espanha e Inglaterra.

E você, em quais outras torcidas gostaria de estar?

Capa do ebook Turismo de Empatia: Refugiados no Oriente Médio Clique aqui e conheça o livro Turismo de Empatia: Refugiados no Oriente Médio

Neste livro, a jornalista Talita Ribeiro conta histórias que viveu e ouviu durante as semanas que passou entre refugiados de guerra na Jordânia e no Curdistão Iraquiano. Em paralelo, a autora dá dicas turísticas dos locais que visitou e apresenta um passo a passo de como embarcar em uma viagem em que o foco são as pessoas, e não os lugares. “Refugiados no Oriente Médio” é o primeiro livro da coleção “Turismo de Empatia”, que nasce de questionamentos e curiosidades tão fortes que nos fazem sair da zona de conforto e entrar em um lugar desconhecido e sagrado: o coração do outro.

Um comentário sobre “Muito além do turismo esportivo

  1. Real e Barça no Santiago Bernabéu, rugby na Irlanda e hóquei no Canadá :)
    Hahaha, concordo que o tênis de mesa na China era uma que nunca tinha pensado, mas que deve ser beeem curioso.
    O esporte é paixão e sempre une as pessoas <3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *