O balão

Era só eu começar a soprar, para brotar crianças ao meu redor, duas, três, seis… Mas hoje, pela primeira vez, surgiu também uma senhorinha, com seu sorriso e olhos infantis, pedindo uma bexiga. Achei que era para um neto, mas logo percebi que não, ela só queria brincar. E aquilo me fez pensar quanto amor e alegria cabem dentro de um balão. O quanto aquelas bolas coloridas podem, por um momento, transformar o cenário ao seu redor.

Talita entregando balões para refugiados no Curdistão Iraquiano

Lembrei da pequena vendedora de meias, que deixou o seu caixote com produtos de lado, para poder jogar para o alto a bexiga cor de rosa, que combinava com a sua calça de moletom. Do quanto as crianças desconfiadas passaram a sorrir, após verem o balão voar, leve como uma pluma no ar. Da festa que fizemos em uma tenda de refugiados, jogando uns nos outros várias bolas ao mesmo tempo, obrigando até os adultos a entrarem na brincadeira. Do bebê de galochas e toca de ursinho, que tinha medo de tocar no plástico amarelo, mas que confiou em mim e, dedinho por dedinho, foi se apegando ao seu mais novo e efêmero brinquedo… E, por fim, da menina que, ao sentir o seu coração partir, impotente em meio à guerra, descobriu uma forma de demonstrar compaixão, compartilhando um pouquinho do ar de seu pulmão.

Para acompanhar os textos da viagem da Talita para o Oriente Médio, assine este blog preenchendo o campo de e-mail na coluna lateral. Não perca os próximos relatos!

Capa do ebook Turismo de Empatia: Refugiados no Oriente Médio Clique aqui e conheça o livro Turismo de Empatia: Refugiados no Oriente Médio

Neste livro, a jornalista Talita Ribeiro conta histórias que viveu e ouviu durante as semanas que passou entre refugiados de guerra na Jordânia e no Curdistão Iraquiano. Em paralelo, a autora dá dicas turísticas dos locais que visitou e apresenta um passo a passo de como embarcar em uma viagem em que o foco são as pessoas, e não os lugares. “Refugiados no Oriente Médio” é o primeiro livro da coleção “Turismo de Empatia”, que nasce de questionamentos e curiosidades tão fortes que nos fazem sair da zona de conforto e entrar em um lugar desconhecido e sagrado: o coração do outro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *